A magia da fotografia a preto e branco

FujiFilm Xpro2

A magia da fotografia a preto e branco

Vai ler e ouvir da maioria dos fotógrafos da atualidade “fotografe sempre em RAW” é um bom conselho tendo em conta as vantagens do formato para todo o processo de edição em pós produção, pois tem muito mais detalhe que o JPG, mas já pensou alguma vez em fotografar com a sua câmera digital fotografia a preto e branco?

fotografia a preto e branco
Ricardo Santos, Nikon D5200 Preset P&B

Com os presets de imagem a preto e branco que as câmeras mais modernas dispõem, é fácil! Mesmo para os utilizadores mais exigentes obterem excelentes imagens com as renderizações de JPEG que algumas câmaras mais recentes podem oferecer.

Claro, isto não significa que deve apenas fotografar em JPEG necessariamente, mas considerando a quantidade de trabalho necessário para depois editar, certamente vai passar mais tempo editando quando não tem que necessariamente que o fazer.

Por exemplo, a Olympus Pen F faz um bom trabalho tornando imagens como fossem fotografadas com filme Ilford Delta. Já a Fujifilm X Pro 2 tem ajuste Acros e a nova Panasonic GX85 tem uma característica especial monocromática.

fotografia a preto e branco
Imagem de uma Olympus Pen F

Não se esqueça que uma das regras básicas da fotografia é gerar emoções que perdurem para a eternidade. Pese embora haja realmente uma moda de saturar as fotografias, o que é certo é que muita cor numa cena pode sobrecarregar a imagem e saturar a visão de quem vê. Tornando-se belo apenas no imediato mas não deixando qualquer emoção na memória que perdure no tempo.

fotografia a preto e branco

O que é  certo é que a maioria das atuais câmeras agora, possuem renderizações de imagem a preto e branco realmente decentes que podem fazer com que não tenha que sequer ter de se preocupar com a edição no Lightroom.

E mais, se possuir bons conhecimentos de medição e exposição então vai ainda mais longe na perfeição destes ficheiros criados com a magia e o glamour da fotografia a preto e branco.

Eis o que pode acontecer quando faz um upload nas redes sociais de uma imagem a preto e branco de elevado contraste:

  • Aqueles que a amam tanto artisticamente e tecnicamente
  • Aqueles que a adoram artisticamente, mas não gostam tecnicamente
  • Aqueles que a detestam artisticamente, mas amam-na tecnicamente
  • Aqueles que a detestam artisticamente e tecnicamente
E com isto quero dizer que o preto e branco desperta emoções.
forografia a preto e branco
Mas isso é apenas um mundo estranho que a cultura da fotografia on-line gerou e que eu não necessariamente aprovo. Infelizmente, o mundo tende a valorizar a ciência sobre a arte.

Perguntar a alguém da nova geração se eles preferem ir para o Museu de História Natural ou a uma galeria. A resposta vai ser seguramente a primeira escolha, há uma muito menor ênfase na educação artística, e uma maior ênfase na ciência. É a geração do Discovery Channel.

Voltemos ao que realmente interessa.

Para o efeito, a ideia de criar uma fotografia a preto e branco e pensando que é uma forma de arte, faz com que a fotografia seja mais cudada, obriga a pensar nas sombras, nos contrastes, nos escuros e nos claros, abranda-nos o ritmo e obriga-nos a pensar fotografia e não apenas a disparar sem nexo.

Além disso, alguém que simplesmente olha para uma imagem pode não necessariamente conseguir dizer se ela foi feita com filme ou digital, se usou RAW ou JPEG, se foi ou não editada etc.

 

 

Deixar uma resposta