Canon EOS 1D X Mark II

Canon EOS 1D X Mark II

No passado dia 27 tive o privilégio de ser convidado, num grupo restrito de pessoas para a apresentação da flagship da Canon, mais precisamente a:

Canon EOS 1D X Mark II

A apresentação foi antecedida pela inauguração da exposição World Press Photo que se encontra em exposição no museu da eletricidade entre dia 28 de abril a 22 de maio

A apresentação foi feita pelo responsável da Canon em Portugal, Rui Rosado, que destacou os aspetos fundamentais desta flagship e o que a distingue da concorrência.

 

Rui Rosado começou por esclarecer que a 1D X Mark II é a fusão de dois conceitos, a 1DX e a 1DC ou seja alia a capacidade de uma flagship para fotografia aliando também a capacidade de fazer video num corpo só, deixando de haver a necessidade de transportar 2 corpos, um para video e um para fotografia.

As melhorias fundamentais nesta fusão de conceitos assentou em 3 pontos. A velocidade, 170 ficheiros Raw com uma profundidade de 14 bits, mas melhorou também em frames por segundo 14 fps, Sendo que e após a apresentação da câmera tive a possibilidade de o experimentar, disparando continuamente e a camera não enchia o cache, esgotando rapidamente o cartão de memória em poucos segundos. Esta capacidade segundo Rui Rosado, advém do mais recente processador o Digic6 plus, o mais evoluído no campo das DSLR, e 14 vezes mais rápido que o seu antecessor, o Digic6, que este corpo integra, não um, mas dois em simultâneo.

Canon-EOS-1D-X-Mark-II 3

O Sensor é inteiramente novo, apesar da Canon já ter sensores com a capacidade de 20.2 megapixéis, a inovação deste novo sensor é a forma como está construído em camadas, sendo que na 4ª camada, a camada responsável pela receção da luz no sensor, vai ajudar a corrigir o chamado “moiré” e ou imperfeições visuais (artefactos) nas zonas periféricas. Isto muito devido aos foto díodos redesenhados para poder trabalhar em latitudes em termos de ISO’s muito mais elevadas.

Canon-Dual-Pixel-CMOS-AF11Outro dos pontos referidos Por Rui Rosado, para além das funcionalidades foi a Robustez, tendo em conta que esta câmera é usada fundamentalmente em condições hostis e adversas. Sendo os utilizadores deste tipo da câmeras os que se dedicam às foto reportagens e à fotografia de vida selvagem, Rui Rosado esclareceu que comparativamente à sua antecessora a 1D X Mark I, que já tinha 67% do corpo em liga de magnésio, esta tem 77% do corpo construído em liga de magnésio, para além de já incorporar já fibra de carbono na sua construção, garantindo maior resistência, durabilidade e menor peso face à sua antecessora.

Canon EOS 1D X Mark II

A auto focagem, foi também um dos temas realçado nesta apresentação onde foi dado o destaque ao novo sensor de medição com leitura de RGB em 360.000 pixéis efetivos e IR, com leitura matricial que faz o cruzamento de toda informação em 61 zonas.

Rui Rosado esclarece a maior precisão face a outras marcas, apesar de menor numero de pontos de focagem, o cruzamento é maior usando em termos de analogia para que melhor possamos compreender a questão, a comparação de uma folha de papel quadriculado com uma folha de papel milimétrico. E esta explicação é de facto muito importante, pois não basta ter mais pontos de AF, mas sim que análise dos pontos seja precisa e fiável.

Canon EOS 1D X Mark II

Já no filme temos o 4K, onde esta camera apresenta 60fps progressivos e já em HD 120fps, o que é ideal para quem usa e abusa dos slow motion.

Em termos de audio e conectividade de microfones desta câmera já permite uma abordagem mais profissional em termos de conexões.

Canon EOS 1D X Mark II

No campo da conectividade a Canon optou por não colocar nesta câmera um WIFI integrado, mas sim um dispositivo autónomo, esclarecendo que sendo um equipamento profissional necessita de uma ligação profissional, externa, fiável e dedicada dada a necessidade da velocidade de transferência para as redações ser mais precisa mais rápida e sem quebras ou falhas e para isso a 1D X Mark II conta com uma porta USB 3.0 e não um WIFI embutido que iria certamente ser mais lento que com o adaptador externo.

Canon EOS 1D X Mark II

 

Por fim foi esclarecido os melhoramentos a nível de ergonomia.

Construção Artesanal

Um facto interessante trazido nesta apresentação e que de facto captou a minha atenção muito devido à emoção e orgulho com que foi dito pelo Rui Rosado, foi o facto destes corpos de câmera serem construídos por uma equipa dedicada de 120 trabalhadores, artesãos, que são chamados de “masters” ou mestres, que apenas se dedicam a esta câmera, de forma artesanal e dedicada e claro está depois com os ajustes necessários para que esta peça quase de joalharia fotográfica e ao mesmo tempo uma ferramenta precisa, funcione na perfeita perfeição. São estes preciosismos que fazem valer a pena estas apresentações feitas de forma mais intimista e pessoal que só a Canon consegue proporcionar.

Por fim tivemos a oportunidade de “brincar” com este brinquedo que é uma delicia de precisão.

O meu muito obrigado à Canon por esta oportunidade de estar presente nesta apresentação.

 

 

Deixar uma resposta